Facebook

Arquivo de jun/2017

21
19/jun/2017

Como vestir seu pequenino nesse inverno

meufofinho_blog_fotos_1
As temperaturas rigorosas do inverno costumam levar as mamães de primeira viagem, com seu instinto de proteção, a exagerar na quantidade de roupinhas na hora de vestir os pequenos. Mediante o frio, as doenças que acompanham a estação, e o mito comum de que os bebês passam mais frio que as crianças maiores e os adultos, é bastante comum errar na hora de escolher a roupinha adequada, prejudicando o bem-estar do pequeno.
Como dito, a ideia de que bebês sofrem mais com a mudança climática é um mito. O que acontece é que a temperatura de nosso corpo se mantém entre 36 e 37°C, mas nas crianças com até 6 meses essa capacidade ainda não está desenvolvida, o que os leva a esquentar ou esfriar com maior rapidez. Uma dica simples é vestir seu filho com uma camada de roupa a mais em relação àquela que você mesmo estiver usando. Assim, quando estiver com uma camisa de manga comprida, acrescente um casaco ao bebê; se estiver de manga curta, vista ele com uma manga comprida, e assim por diante.
Já na hora de montar o enxoval, o ideal é prezar pelo conforto do bebê. Portanto, para além da temperatura, sempre leve em consideração a liberdade de movimentos. Evite comprar peças justas ou muito pequenas; opte por roupinhas de corte largo, simples, sem golinhas apertadas, zíperes, capuz ou botões nas costas, que podem incomodar as crianças, já que elas passam a maior parte do tempo deitadas. Em relação aos tecidos, a melhor escolha são fibras naturais como a 100% algodão, que são mais leves, permitem que a pele respire, e ainda evitam irritações

Frio ou calor?
Saber a quantidade de peças de roupa e o material são tarefas essenciais, mas não podemos deixar de atentar ao básico: que tipo de peça é adequada para cada estação e como saber se o bebê está com frio ou com calor?
Nos dias de frio com mudança constante de temperatura, comuns no outono e inverno brasileiros, é preferível vestir as crianças com muitas camadas, em vez de um único casaco pesado. Assim, se existir uma mudança brusca no clima, basta tirar ou acrescentar peças. No calor, macacões fininhos de algodão ou bodies de manguinha com perninhas de fora são coringas para o roupeiro infantil. Evite colocar sapatinhos e até mesmo meias em dias de calor.
Para ter certeza que o bebê está confortável, é preciso estar atento a sinais observáveis: lábios, mãos e pés arroxeados, bem como narizinho gelado são sinais de que o bebê precisa de mais roupa; rosto avermelhado, suor nas dobrinhas e irritação, são sinais de roupa em excesso. Um banho morno e roupinhas mais leves vão deixá-lo relaxado.
Esses cuidados devem permanecer até os dois anos de idade, quando a criança já é capaz de retirar e colocar o próprio casaquinho. Até lá, a dica é bom senso. Não exagere, a moda infantil só tem uma indicação: comodidade!

21
06/jun/2017

Dicas para pais de primeira viagem

meufofinho_blog_fotos_2

Predição de mudança de rumos, o anúncio da paternidade é um momento inesquecível para todos. No entanto, essa descoberta é só um entre os tantos outros grandes momentos e aprendizados que virão em sequência, fruto deste grande desafio que, como qualquer outro, traz trabalho, mas sobretudo muita felicidade. Embora o aprendizado e o deleite só vêm verdadeiramente com a experiência, e mesmo que cada uma delas seja única, existem, no entanto, traços comuns que podem antecipar a visão dessa nova vida para os futuros e ansiosos pais:

. Mudança de Rotina e Hábitos: É inevitável: seus horários, distrações, programas e objetivos diários vão mudar completamente. Serão noites sem dormir, as saídas com sua parceira e amigos serão quase nulas, as idas ao cinema serão somente para ver animações, e as festas terão balões, bolo e brincadeiras infantis…;
. Sem tempo: O happy hour ou futebol com os amigos, o videogame ou o Netflix ficarão em segundo plano. Será necessário, mais do que nunca, estar presente em casa, assumir tarefas e estar pronto para pequenas ou grandes emergências;
. Descobertas: Ser pai é uma eterna descoberta. Você vai se pegar aprendendo coisas que jamais pensou em aprender. De obviedades como trocar as fraldas, preparar papinhas, colocar o bebê para dormir, até decorar dezenas de canções e histórias infantis que permanecerão sempre na sua cabeça, até a descoberta de novos lugares no seu bairro, como a pracinha, o campinho e a escolinha, tudo será novidade;
. Planejamento: Não são poucas as vezes que escutamos que criar um filho não é tarefa fácil ou barata. E, definitivamente, isso não é exagero. Enxoval, quartinho, brinquedos, berço, estoque de fraldas… Se a lista de investimentos prévios já é extensa, a que se segue ao desenvolvimento da criança parece não cessar nunca: pediatra, creche, passeios, cursos, roupas… E claro, é bom estar preparado para abrir mãos de mimos próprios para deixar seu pequeno feliz: deixar de comprar coisas para si para levar um presentinho para casa, trocar o sonho do carro esportivo por uma van, e assim por diante;
. Ser um exemplo: A relação entre pai e filho é uma troca. Se aprendemos muito com essa experiência, não podemos deixar de lembrar que todas nossas ações vão inspirar essa nova pessoa que começa a se relacionar com o mundo. O pai é um exemplo, um herói e uma das principais influências na formação da criança. Por isso, para ser um bom pai é necessário ser uma boa pessoa, medir ações e palavras, saber orientar e ser movido pela tolerância;
. Educação: Sim, somos exemplos e guias, e sempre queremos o melhor para nossos filhos. No entanto, como em toda relação, a paternidade pede empatia. É necessário apontar bons costumes e como se portar com respeito, mas o essencial é permitir que as crianças se sintam bem-vindas a expressar seus verdadeiros potenciais. É importante estar atento para não projetar nos filhos nossos próprios anseios. Cada pessoa é única, e não nos cabe transformar os sonhos de nossos filhos na extensão daquilo que desejamos conquistar.

Se os desafios e as responsabilidades parecem árduos, não se preocupe, pois tudo vai parecer leve a cada sorriso ou gargalhada do bebê, e nada vai ser tão emocionante e especial quanto escutar o primeiro “Eu te amo, papai!”. Ser pai é voltar a ser criança para crescer novamente de uma forma mais gratificante e feliz.