Facebook

Arquivo de set/2017

21
20/set/2017

Dicas para melhorar a alimentação

12_09_3
A alimentação faz parte da educação de toda criança. Incentivar o consumo de alimentos saudáveis nem sempre é uma tarefa fácil, por isso relacionamos algumas simples dicas que podem ajudar muito.

Crie regras justas

Toda regra precisa ter um objetivo e determinada flexibilidade, pois quando a proposta é justa, ela é aceita pela criança com mais facilidade. Estipule porções específicas para o consumo de todo tipo de alimento, como um doce após o almoço, diariamente, por exemplo. Assim a criança sabe que o momento do doce irá chegar, o que também incentiva a disciplina.

Saiba do que o seu filho gosta

Assim como os adultos, a criança tem seus alimentos preferidos e aqueles que não agradam muito o seu paladar. A melhor maneira de descobrir as preferencias é ouvindo sua opinião sobre o sabor de cada alimento. Substituir legumes e frutas que não são muito bem recebidos por outras que a criança prefere é uma maneira de incentivar o consumo de alimentos saudáveis. Conversar francamente sobre o assunto é essencial.

Torne a refeição algo interessante

Estimule a criança a consumir alimentos diferentes e variar sua alimentação de forma divertida. Experimente fazer espetinhos de legumes, de forma que você possa misturar diversas cores e nutrientes em uma só refeição.

Frutas são ótimos acompanhamentos

A grande maioria dos doces mais comuns, como sorvetes e chocolates, pode ter o acompanhamento de alimentos saudáveis. Por exemplo, ao invés de encher o pote de sorvete até a borda, insira pedaços de morangos, isso vai influenciar a criança a consumir frutas.

21
04/set/2017

Andador: por que estão todos contra ele

31_08_8

Os primeiros passos são sempre marcantes na vida do bebê e dos pais. É um momento na vida da criança que dá vontade de compartilhar com todo mundo, simplesmente porque representa um avanço na sua independência. Mas esse desenvolvimento deve ser influenciado através do andador? Existe uma grande campanha dizendo que não.

A conjuntura atual é de grande polêmica em torno do produto. No Brasil, no ano de 2013 uma liminar da Justiça de Passo Fundo (RS) determinou a proibição da comercialização de andadores infantis em todo o pais. Na decisão, a juíza destaca que nenhuma das marcas analisadas está dentro das normas de segurança do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e coloca que “a natureza do produto se destina a bebês e crianças na fase de aprendizagem do ato de caminhar, portanto, em situação biológica de vulnerabilidade potencializada”.
Antes disso, no ano de 2010, a Associação Profissional de Médicos de Crianças e Adolescentes da Alemanha lançou uma campanha defendendo a proibição da venda de andadores. Dados de pesquisas realizadas no Reino Unido também mostram que o andador é o equipamento infantil que mais provoca acidentes e lesões.

Médicos pediatras afirmam que quando seu bebê está utilizando o andador, ele fica em uma altura que não é a adequada à idade, o que dá certa “liberdade” à criança. Assim, o bebê pode alcançar objetos que normalmente não alcançaria, como facas, tesouras, entre outros utensílios domésticos, o que pode ter consequências terríveis.

A Revista Pediatrics, uma das principais publicações da área, coloca que o uso do andador atrasa o aprendizado da criança. Segundo estudos apresentados na publicação, bebês que usam andador demoram muito mais para aprender a andar e podem apresentar um atraso considerável no desenvolvimento motor e mental. Sentar, andar e caminhar são avanços que levam muito mais tempo em crianças que utilizaram andador.

Para atingir marcos de desenvolvimento o bebê precisa passar pelas fases de rolar, sentar, engatinhar e brincar no chão. Por isso, mesmo que se mostre cansativo carregar seu filho no colo, é preciso que estas fases sejam respeitadas e superadas com naturalidade, tanto pelo crescimento saudável do bebê, quanto pela sua segurança.